sexta-feira, 23 de julho de 2021

SEGUIMOS JUNTOS!


Sábado, dia 24, acontece a posse da diretoria de nosso Sindicato. Saio da presidência, que passará a ser exercida por Josinaldo José de Barros (Cabeça), atual vice. Seguirei na diretoria efetiva.

Quero, ao ensejo, tecer alguns comentários dessa minha experiência à frente da entidade.

União - Trabalhei sempre pela união do grupo e para o bem da categoria.

Unidade - Atuei e dialoguei para que o movimento sindical guarulhense se unisse pelo bem das categorias e da cidade.

Social - Criei o Instituto Cultural e Esportivo Meu Futuro, a fim de complementar a educação de crianças e jovens na região do Primavera. Também oferecemos cursos profissionalizantes, encaminhamos jovens ao mercado de trabalho e demos suporte a famílias carentes.

Lazer - Ampliamos o Clube de Campo, que ganhou diversas melhorias, como parque aquático completo, ginásio poliesportivo e preservou quatro alqueires de Mata Atlântica. Além de outras obras e melhorias.

Formação - Fizemos inúmeros seminários e cursos para dirigentes, assessores e ativistas, sobre economia, política, saúde, direitos da mulher e outros.

Desempregados - Criamos o Grupo de Apoio Psicoprofissional, que atendeu mais de 30 mil desempregados, encaminhando muitos ao mercado de trabalho.

Acordos - Em todos esses anos, fechamos acordos na data-base. Durante 14 anos seguidos, a categoria obteve aumentos reais e ampliou direitos. 

PLR - Consolidamos os acordos de Participação nos Lucros e/ou Resultados das empresas, em número crescente. A meta é PLR pra 100% da categoria.

Atos - Marchamos a Brasília pra conseguir revisão do FGTS; falamos com presidentes da República e líderes no Congresso. Enfrentamos a violência policial, por defender direitos e combater a precarização.

Indústria - Uma das marcas do meu mandato foi a defesa da indústria nacional, porque o emprego industrial ainda é o que paga mais e porque indústria forte significa País desenvolvido. 

Autonomia - Mantivemos o Sindicato autônomo frente a governos e partidos, porque o partido de Sindicato tem que ser a sua categoria.

Mais - Estimulamos as lutas da mulher, apoiamos os aposentados, defendemos a segurança nos locais de trabalho.

Desejo pleno sucesso ao companheiro Cabeça. Sei da sua disposição de trabalho. Cumprimento a todos da diretoria. E abraço, fraternalmente, cada trabalhador e trabalhadora.

Juntos seguiremos!

Mudança na indústria


Espero, sinceramente, que o setor industrial retome a liderança da economia brasileira. Hoje, nosso segmento mais dinâmico é o agronegócio. O agro é importante, mas tem baixo valor agregado, além do que o preço das commoditties é ditado pelo mercado internacional.

Outro problema do agronegócio é a expansão desmedida das chamadas fronteiras agrícolas, cujo avanço depende, em muitos casos, da devastação ambiental e invasão de reservas.

A indústria praticamente superou a era da poluição e da contaminação. Tecnologias limpas já são utilizadas largamente, sem derrubar a produtividade. Na questão do emprego, é quem paga os melhores salários. Também dependem do segmento industrial o desenvolvimento da engenharia e de novas tecnologias.

Na presidência do Sindicato, sempre defendi a indústria, especialmente a nacional. Do ponto de vista das relações trabalhistas, atuo pelo diálogo e respeito entre as partes. Em termos de macroeconomia, entendo ser necessária uma aliança entre setor produtivo, sindicalismo e trabalhadores.

Nessas postulações do sindicalismo, chegamos a ter apoios de setores empresariais locais, além de segmentos do Sistema S. Porém, grandes entidades, como CNI e Fiesp, nunca deram ouvidos às nossas propostas, preferindo relações vantajosas com governantes e agentes estatais - como o BNDEs.

Espero que isso mude. Por quê? Porque a direção da Fiesp também vai mudar. Sai Paulo Skaff, cujas indústrias ninguém conhece, entra Josué Gomes, comandante do grupo Coteminas, potência do ramo têxtil. Se seguir o exemplo de seu pai, José de Alencar, será um bom presidente da Fiesp, respeitado líder de classe e um porta-voz efetivo das necessidades do setor - e aqui incluo a permanente qualificação profissional dos trabalhadores. 

Boa sorte ao futuro presidente. E boa sorte também a Maurício Collin, reeleito no Ciesp local.

Engenheiros - Solidarizo-me com a valorosa categoria, que corre risco de perder seu Piso Profissional. Saiba o presidente da Federação Nacional, Murilo Pinheiro, que pode contar com o apoio dos Metalúrgicos e da Força Sindical.

Engenharia e engenheiros valorizados são fundamentais ao desenvolvimento nacional e à qualidade de vida da população.

sexta-feira, 25 de junho de 2021

Tome a vacina que tiver!


BioNTech, Pfizer; CoronaVac; Johnson & Johnson; Oxford, AstraZeneca; Sputnik V. Tome a vacina que estiver disponível em sua cidade. Tome a vacina que estiver disponível no posto de saúde mais próximo de sua casa.

Todos os imunizantes disponíveis passaram por testes que comprovam sua segurança e eficácia contra o novo coronavírus. Sua aplicação é autorizada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

O presidente Bolsonaro voltou a prestar um desserviço pra sociedade ao brincar com a vacina CoronaVac, primeiro imunizante aplicado no Brasil. Em live com o secretário de Comunicação, Fábio Faria, ele perguntou, em tom de ironia, se o secretário tomaria a CoronaVac. Faria, de bate-pronto, respondeu: "Não!". E os dois caíram na risada.

Por causa dessa irresponsabilidade do principal governante do País, pessoas estão indo pra fila da vacina e escolhendo qual imunizante tomar. Não façam isso. Testes mostram que, ao tomar a vacina (qualquer uma), o risco de mortes diminui. O risco de contaminações reduz drasticamente. A vacinação não é apenas uma ferramenta de proteção individual (ou seja, quem se vacina se protege), mas coletiva.

O jornal Valor Econômico publicou nesta quinta (24): "Mais de 99% das mortes recentes nos EUA são de não vacinados". E mais: "Infecções em pessoas totalmente vacinadas foram responsáveis ​​por menos de 1.200 das mais de 853.000 hospitalizações por Covid-19. Isso é, cerca de 0,1%". Ou seja, vacina salva. Não só a sua vida, mas a vida de quem está ao seu redor. 

Bolsonaro é irresponsável, é contra a ciência, contra a vacina. Não faça como o presidente. Não dê ouvidos às suas falas. Tome a vacina que tiver!

Joe Biden turbina mercado interno


Os gastos com o consumo representam 70% do PIB norte-americano. No primeiro trimestre, tais gastos subiram 11,3%, boa parte aplicada à compra de bens duráveis, como carros e eletrodomésticos. No primeiro trimestre de 2020 (sob governo Trump), o PIB local havia caído 5%.

A que se atribui a melhoria no desempenho? Basicamente à ajuda trilionária do presidente democrata Joe Biden à economia doméstica e no combate à Covid-19. Biden investiu maciçamente na vacina, o que já possibilita a retomada das atividades econômicas.

Com apoio do Congresso, Biden conseguiu aprovar o aporte de US$ 5,1 trilhões em ajuda às famílias, empresas e no pagamento do seguro-desemprego. Em abril do ano passado, a taxa de desemprego chegou a 14,8%. Este ano, em maio estava em 5,8%.

De todo modo, nem tudo são flores. A recolocação no mercado de trabalho tem sido mais lenta para trabalhadores de baixa qualificação profissional. O governo também está preocupado com a escassez de bens, o que pressiona a inflação para cima.