quinta-feira, 23 de maio de 2019

É preciso debater a Greve Geral

As direções da cúpula sindical propõem a Greve Geral em 14 de junho. É justo, por se tratar de uma reação da base social contra a reforma da Previdência, que corta direitos e ataca aposentadorias. Nem viúvas e pensionistas escapam dos cortes propostos por Bolsonaro e Paulo Guedes.

A ideia da Greve é justa e oportuna. Mas é preciso criar as condições concretas para que ela ocorra. A unidade das direções é importante. Porém, é preciso descer às bases das categorias, informar o trabalhador e mostrar as maldades da reforma.

Podemos fazer uma grande Greve Geral dia 14 de junho e barrar a reforma neoliberal da Previdência. Pra tanto, precisamos mobilizar os trabalhadores e agregar setores da classe média e de outros segmentos da sociedade.

terça-feira, 21 de maio de 2019

Participei hoje do evento “Diálogo pelo Brasil”

Na manhã de hoje (21), estive no Senai Guarulhos, no Jardim Paraventi. Participei do evento “Diálogo pelo Brasil”, que contou com a presença do presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf.

Aproveitei o encontro para perguntar ao presidente da Fiesp sobre a situação do Sistema S e a reforma da Previdência, que retira direitos e ataca os trabalhadores da ativa, aposentados e pensionistas.

O encontro reuniu sindicalistas, empresários e autoridades políticas.

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Cresce resistência à reforma da Previdência

O abaixo-assinado do nosso Sindicato ganha crescente apoio nas fábricas. A cada dia, mais trabalhadores subscrevem o documento que pleiteia Previdência Pública e garantia de direitos dos segurados, aposentados e das pensionistas.

Assine. O documento percorre fábricas e feiras-livres. Não deixe de assinar. Pense na  sua aposentadoria, pense no futuro dos seus filhos, pense que um país que desarticula a Seguridade Social enfraquece o Estado Democrático de Direito e faz da questão social um caso de selvageria e exclusão.

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Bolsonaro pisa na bola!!!

De Dallas, Estados Unidos, o presidente da República perdeu a oportunidade de ficar calado e preferiu fustigar os manifestantes: “São idiotas inúteis”. Na manifestação do dia 15, tinha muita gente, inclusive muitos professores, doutores, pesquisadores, artistas e intelectuais. Quem é o idiota afinal?

O cargo de presidente da República requer recato. Jair Messias Bolsonaro tem todo o direito de criticar e se defender de críticas e ataques. Mas seu cargo recomenda que ele não insulte os cidadãos.

Sobre a recessão, o desemprego em massa, a quebradeira de indústrias, será que o Presidente tem algo a dizer?